terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Dom Bosco

   
    Dom Bosco, ou São João Bosco, é o Santo Mestre e Pai da Juventude. De família de agricultores muito pobres, órfão de pai desde muito cedo, sempre quis ser padre, mas teve que trabalhar muito e até mendigar para seguir estudando. Na cidade de Bechi, noroeste da Itália, sua casa, que foi muito bem preservada, é um retrato das condições em que viveu sua infância e adolescência.


    Esses difíceis anos marcaram-lhe pelo resto da vida, fazendo-o ver a si mesmo nos jovens carentes. Seu carinho era voltado especialmente ao bem-estar dos órfãos, que saiam de suas terras para as cidades em busca de trabalho, onde ou eram explorados ou passavam fome vivendo nas ruas, expostos à criminalidade.
    Sua maior obra é a Pia Sociedade de São Francisco de Sales, conhecida como os salesianos, criada em 1859, voltada para a educação de adolescentes e jovens. Começou como um oratório, depois uma escola profissional, mais tarde um colégio e por fim um internato. O nome é uma homenagem ao Santo francês, cujos escritos são a inspiração de muitos padres desde o século XVII.
    Essa congregação foi de suma importância para a formação religiosa de toda a gente na região de Turim, pois por esses tempos o Estado italiano afastava-se cada vez mais da Igreja. Dom Bosco criou um sistema preventivo para educação dos jovens, evitando que caíssem nos maus costumes da modernidade e do secularismo. Seu sistema pedagógico é baseado em três princípios: Razão, Religião e Bondade. E assim, para mais amplo atendimento, abriu também casas de hospedagem, escola de artesanato, campos de diversão e escolas de alfabetização, nas quais oferecia catequese e orientação profissional. Ele mesmo, durante seus estudos, havia trabalhado como ferreiro, carpinteiro, sapateiro e costureiro. Quando podia, estudava música.


    Sua admiração pelo Santo de Sales fez dele também um grande defensor da fé católica. Fervoroso devoto de Nossa Senhora Auxiliadora, fundou com Santa Maria Domingas Mazzarello o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, conhecidas como irmãs salesianas, para a educação de meninas e moças. Fundou, por fim, a Associação Internacional dos Cooperadores Salesianos, para obter serviços e angariar doações pelo mundo afora em nome de toda a congregação. Ao Falecer em 1888, aos 72 anos, os salesianos já tinha 768 membros espalhados em diversos países, com 26 casas nas Américas e 38 na Europa.
    Novo modelo de padre, considerava de especial importância a devoção a Santíssima Virgem. Via na juventude a grande oportunidade para ajudar a melhorar a sociedade, e tornou-se para eles um cativante confessor. Procurava fazer-se presente de todos os modos, em todos os momentos da vida dos jovens.
    Grande místico, seu Anjo da Guarda aparecia-lhe, e protegia-o de grandes perigos, na forma de um grande cão cinza, que parecia um lobo. E a prova de seu intenso convívio com os jovens era seu sempre bom condicionamento físico. Foi grande escritor, de fácil expressão, privilegiada memória e espírito de liderança.
    Deixou-nos profundas diretrizes espirituais, que revelam um exímio educador:
    "Nas tentações invoque seu anjo. Ele deseja ajudar você mais do que você deseja ser ajudado por ele."
    "Se vocês se encontrarem em algum perigo de alma e de corpo, invoquem o Anjo da Guarda e eu tenho certeza que eles lhes assistirá e livrará."
    "Coragem e reze! Seu anjo também reza por você e você será ouvido."
    "Nestes tempos tão depravados, Deus quer demonstrar que Sua Imaculada Mãe é onipotente através do Seu Divino Filho."
    "Maria foi verdadeiramente por Deus constituída auxílio dos cristãos."
    "Maria protege todos seus devotos em todas necessidades, mas protege-os especialmente na hora da morte."
    "Maria Santíssima não quer a devoção daqueles que querem continuar vivendo em pecado."
    "Eu recomendo que diga todas as noites, antes de se deitar, três vezes a seguinte oração: 'Querida Mãe, Virgem Maria, fazei com que eu salve minha alma."
    "Quando vocês se levantarem pela manhã, repitam sempre: 'Ave Maria...'"
    "Quem confia em Maria jamais será iludido."
    "Vocês leem no ofício de Nossa Senhora: 'Meu nardo exalou um suave perfume.' O nardo só exala perfume quando é amassado, por isso não se importem se forem maltratadas pelo mundo."
    "Maria mantenha-nos todos firmes e guie-nos pelo caminho do Céu."
    "Amai esta Vossa Mãe Celeste, de coração recorrei a ela."
    "Suporta de bom grado os defeitos alheios, se queres que os outros suportem os teus."
    "A caridade tudo suporta. Por isso não terá verdadeira caridade quem não se dispuser a suportar os defeitos dos outros."

    "Ai de quem trabalhe esperando os louvores do mundo; o mundo é um mau pagador, e sempre paga com ingratidão."
    "A pureza da intenção é fazer aquilo que agrada a Deus. Quem nos dá certeza disso é a obediência."
    "Nossa cruz são os sofrimentos que todos encontramos na nossa vida."
    "Para fazer o bem, ocorre ter um pouco de coragem e estar disposto a alguma mortificação."
    "Todo sacrifício é pouco quando se trata da Igreja e do papado."
    "Persuadi-vos desta grande verdade: onde está o sucessor de Pedro, está a verdadeira Igreja."
    "Ninguém pode ser católico se não estiver unido ao Papa."
    "Trabalho e entendo que todos salesianos devem trabalhar pela Igreja até o último suspiro."
    "No evangelho está escrito: 'Felizes os que choram', e não: 'Felizes os que vivem nos prazeres.'"
    "Lembra-te que neste mundo não temos tempo de paz, mas de contínua guerra."
    "Descansaremos no Céu."
    "É preciso contínua paciência, constância, perseverança, fadiga."
    "Nas contradições, o principal remédio é a tranquilidade e a caridade."
    "A mais segura defesa contra a ira é a demora em desafogá-la."
    "A vingança do verdadeiro católico é o perdão e a oração pela pessoa que o ofende."
    "Será grande o dia para aquele que conseguir dobrar um inimigo e conquistar um amigo."
    "Aquele que se interessa pela Salvação de uma alma, tem fundadas esperanças de salvar a própria."
    "Aja de modo que, pelas tuas ações e pelas tuas palavras, qualquer pessoa saiba que tu procuras o bem das almas."
    "Quando vocês entrarem no Céu, Deus vos mostrará as almas que vocês ajudaram a salvar."
    "Faltando a moralidade, perde-se a alma para Deus e a honra para o mundo."
    "Neste mundo a gente não encontra a felicidade, se não houver a Paz com Deus."
    "Quem não tem Paz com Deus, não tem paz consigo mesmo nem com os outros."
    "A maneira de fazer-se bem toda nossa ação é fazê-la na presença de Deus."
    "Deus colocou-nos no mundo para os outros."
    "Se queres fazer-te bom, pratica apenas três coisas e tudo andará bem. Ei-las: alegria, estudo e piedade."
    "Quem é humilde é amável, será amado por todos: por Deus e pelos homens."
    "A humildade é a fonte de toda tranquilidade."
    "Andando com maus companheiros, vocês acabam perdendo-se, pondo em risco a própria Salvação."
    "Conviver com muitos que fazem o bem anima-nos sem que percebamos."
    "Se querem que nossa vida seja sempre alegre e tranquila, procurem viver sempre na Graça."
    "Quereis que o Senhor vos conceda muitas Graças? Visitai-O frequentemente. Querei que Ele vos conceda poucas? Visitai-O raramente."
    "A vocação conserva-se com uma vida recatada e com a Santa Comunhão."
    "As vocações conservam-se somente com a oração. Quem deixa a oração, certamente deixará sua vocação."
    "Enquanto alguém se conserva casto, sempre tem viva fé, firme esperança e ardente caridade."
    "Amem muito a castidade. Lembrem-se, para conservá-la é precioso trabalhar e rezar."
    "Meios positivos para conservar a castidade: oração, fazer do ócio frequência nos Sacramentos, vigilância nas pequenas coisas."
    "A mortificação dos olhos é o grande protetor da pureza."
    "O que somos é presente de Deus, o que nos tornamos é o nosso presente para Ele."

    "Que triste ver cristãos fazendo pouco caso ou mesmo nenhum do Augusto Sacrifício que é feito no altar."
    "Os dois mais fortes sustentáculos para a caminhada até o Céu são os Sacramentos da Confissão e da Comunhão."
    "O confessor é um amigo que não deseja outra coisa senão o bem de nossas almas."
    "Confessem-se como se sua Confissão fosse a última de suas vidas."
    "Sabe o quê quer dizer cair em pecado mortal? Quer dizer renunciar o filho de Deus e ser escravo de Satanás."
    "Causa-me mais dor escutar uma blasfêmia do que tomar um soco."
    "O demônio faz de tudo para impedir a oração."
    "As mentiras, além de ser uma ofensa a Deus, tornam-nos filhos do demônio."
    "O demônio não tem medo da penitência e sim da obediência."
    "Onde existe trabalho, não está o demônio."
    "A verdadeira causa de todos os males é o pecado. O pecado torna os povos infelizes."
    "Fujam do pecado como seu maior inimigo."
    "Sejam firmes no propósito de impedir o mal e fazer o bem, mas sejam sempre dóceis e amáveis, perseverantes e prudentes."
    "Procure fazer-te amar, se queres fazer-te respeitar."
    "A bondade é estimada também pelos maus homens, ainda que eles não as pratiquem."
    "A leitura dos jornais rouba grande parte do tempo aos sérios estudos e atrai a alma para muitas coisas inúteis."
    "Façamos o bem a todos e o mal a ninguém."
    "Fazer o bem sem aparecer. A violeta fica escondida, mas a gente acha o perfume."
    "Do próximo, ou falar bem ou calar a boca."
    "Fale pouco de você e menos ainda dos outros."
    "Não adianta nada ficar lamentando os males, é preciso arregaçar as mangas e dar de tudo para eliminá-los."
    "Não fique desculpando seus defeitos, procure corrigi-los."
    "Ser bom não consiste em não cometer falhas, mas na vontade de corrigir-se."
    "Não é possível que quem é grato não possua também outras virtudes."
    "Basta que um jovem entre numa casa salesiana para que a Santíssima Virgem o tome imediatamente debaixo de sua especial proteção."
    "Um grande sustentáculo para vós, uma poderosa arma contra as insídias do demônio, caros jovens, tendes na devoção a Maria Santíssima."
    "Devemos fazer Deus passar no coração dos jovens, não somente na porta da Igreja, mas também na da escola."
    "Jesus quer fazer-se nosso modelo, nossa vida, nosso exemplo em tudo, particularmente na educação da juventude."
    "Lembrai-vos de que a educação é questão de coração, do qual somente Deus pode dar-vos as chaves."
    "É preciso que o Senhor tome posse do coração dos jovens, antes que o pecado o faça."
    "Estamos convencidos de que muitos dentre os jovens são ricos de recursos espirituais e apresentam germes de vocação apostólica."
    "Tudo eu daria para ganhar o coração dos jovens e assim poder apresentá-los como presente ao Senhor."
    "Essa querida juventude foi sempre terno objeto de minhas ocupações, dos meus estudos, do meu ministério sacerdotal e da nossa congregação."
    "Quero ensinar um método de vida cristã que seja alegre, mostrando os verdadeiros prazeres de modo que vocês possam dizer: 'Sirvamos ao Senhor com alegria.'"
    "A formação dos jovens consiste em duas coisas: doçura, e comunhão e confissão frequentes."
    "Estudo, trabalho e oração: eis o que tornará bons os jovens."
    "Os jovens não só devem ser amados, mas devem saber que são amados. A primeira felicidade de um menino é saber-se amado."
    "Ganhai o coração dos jovens por meio do amor."
    "Eu não quero outra coisa dos jovens senão que sejam bons e estejam sempre alegres."
    "O meu sistema? Simplicíssimo: dar aos jovens plena liberdade de fazer o que mais lhes agrada. O problema é neles descobrir germes de boa disposição e procurar desenvolvê-los."
    "Desejo ver meus jovens correrem e pularem alegremente no recreio."
    "Familiaridade com os jovens especialmente no recreio. Sem familiaridade não se demonstra afeto, e sem essa demonstração não pode haver confiança. Quem quer ser amado deve demonstrar que ama. O mestre visto apenas na cátedra é mestre e nada mais, mas se está no recreio com os jovens torna-se irmão..."
    "Conseguir-se-á mais com um olhar de bondade, com uma palavra animadora que encha o coração de confiança, do que com muitas repreensões, que só trazem inquietações e matam a espontaneidade."
    "Consideremos nossos alunos como filhos, pondo-nos a seu serviço e não os dominando."
    "Em todo jovem, mesmo no mais infeliz, há um ponto acessível ao bem. E a primeira obrigação do educador é buscar esse ponto, essa corda sensível do coração, e tirar bom proveito."
    "A juventude é a porção mais delicada e preciosa da sociedade humana."
    "Felizes aqueles que se entregam a Deus, para sempre, na sua juventude."
    "Prometi a Deus que até meu último suspiro seria para os jovens."

    "Foi ela, Maria Auxiliadora quem tudo fez."

    Como um grande sinal de Deus que foi, seu corpo ainda não se corrompeu, e pode ser visto na Basílica de Nossa Senhora Auxiliadora, em Turim.


    São Dom Bosco, rogai por nós!

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Ser Cristão


    A imagem do Cristo crucificado realmente espelha muita violência. Mas não é por acaso: é o melhor símbolo do que significa ser cristão. A Santa Cruz, como prova de total e incondicional entrega, mesmo diante da má vontade e da incompreensão mundana, é e continuará sendo, ao menos até a definitiva volta de Jesus, uma inevitável consequência do convite ao verdadeiro amor. Nosso lado desumano, apesar de todos os 'avanços da civilização', segue constantemente resistindo ao Pai, ao Sumo Bem.
    Falando sobre o fim dos tempos, mas também apontando claramente a trajetória da humanidade através dos séculos, Jesus profetizou: "E, ante o progresso crescente da iniquidade, o amor de muitos esfriará." Mt 24,12
    Contudo, mesmo contra todas adversidades, a caridade, seja material ou espiritual, continua sendo a missão número um do cristão. E para deixar mais evidente o objetivo de Sua Missão, Jesus sintetizou os 10 Mandamentos em apenas 2, e ambos falam especifica e exclusivamente de amor: "Amarás o Senhor Teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma e de todo teu espírito (Dt 6,5). Este é o maior e o Primeiro Mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás teu próximo como a ti mesmo (Lv 19,18). Nesses dois Mandamentos se resumem toda a Lei e os Profetas." Mt 22,37-40
    Não bastante, Ele sintetizou ainda mais esses dois em apenas um único e novo Mandamento, que também se resume em amar. E para tanto deixou-nos um parâmetro: Seu absoluto amor: "Dou-vos um novo Mandamento: Amai-vos uns aos outros. Como Eu vos tenho amado, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. Este é o Meu Mandamento..." Jo 13,34; 15,12
    Ao anunciar um só Mandamento que fala 'apenas' em amar uns aos outros, Jesus teria aparentemente esquecido do Mandamento que fala em amar a Deus. Mas uma explicação, dada mais tarde por São João Evangelista, deixa bem claro a dimensão que há no amor ao próximo: "Se alguém disser: 'Amo a Deus', mas odeia seu irmão, é mentiroso. Porque aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a Quem não vê." 1 Jo 4,20
    O amor é, portanto, a marca de excelência do cristão. Jesus dizia expressamente: "Nisto todos conhecerão que sois Meus discípulos, se vos amardes uns aos outros." Jo 13,35
    Ele fez mais uma síntese magistral, agora referindo-Se a tudo que as Escrituras representam, indicando qual deve ser a essência de nossa mentalidade e comportamento: a mutualidade. É a chamada Lei de Ouro: "Tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles. Esta é a Lei e os Profetas." Mt 7,12
    Assim Ele recomendava que fôssemos constantes e perseverantes em Seu exemplo de amor: "Se guardardes os Meus Mandamentos, sereis constantes no Meu amor, como também Eu guardei os Mandamentos de Meu Pai e persisto no Seu amor." Jo 15,10
    E tudo isso sem que esqueçamos da humildade, pois ainda mandou que rezássemos assim: "E se o servo tiver feito tudo que lhe fora mandado, acaso fica-lhe o Senhor devendo alguma obrigação? Assim também vós, depois de terdes feito tudo o que vos foi ordenado, dizei: 'Somos servos inúteis; fizemos apenas o que devíamos fazer.'" Lc 17,9-10
    Aos que se mantiverem fiéis, Ele promete o amor do Pai e que a estes Ele Se manifestaria de forma extraordinária, pessoal: "Aquele que tem os Meus mandamentos e os guarda, esse é que Me ama. E aquele que Me ama será amado por Meu Pai, e Eu o amarei e manifestar-Me-ei a ele." Jo 14,21
    Com efeito, a História tem revelado que Jesus, enquanto Pessoa, não tem-Se manifestado indiscriminadamente, mas quase em exclusivo aos membros de Sua Igreja, como apontou São Pedro: "Mas Deus O ressuscitou no terceiro dia, concedendo-Lhe manifestar-Se não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus havia escolhido..." At 10,40-41a
    E Ele ainda prometeu que viria com o Pai, o que pela Comunhão da Santíssima Trindade também inclui o Espírito Santo, para viver no coração de Seus verdadeiros seguidores. E tudo por intermédio do amor: "Se alguém Me ama, guardará a Minha Palavra e Meu Pai o amará, e Nós viremos a ele e nele faremos Nossa morada." Jo 14,23


A PRÁTICA DO AMOR MAIOR

    Mas, e nós? Confiamos mesmo que as coisas podem ser assim? Confiamos mesmo nos ensinamentos do Cristo? Como poderíamos ser cristãos sem guardar Sua Palavra? Segundo Ele mesmo, o caminho é um só: "Se permanecerdes na Minha Palavra, sereis Meus verdadeiros discípulos..." Jo 8,31
    Por isso Ele reclama de nossa incoerência: "Por que Me chamais: 'Senhor, Senhor...' e não fazeis o que digo?" Lc 6,46
    Na nova comunidade que formava, Ele mencionou mais uma vez o Seu exemplo como base da conduta cristã, e revelou um modo bem diferente de relacionamento e de uso da autoridade: "Sabeis que os chefes das nações as subjugam, e que os grandes as governam com autoridade. Não seja assim entre vós. Todo aquele que quiser tornar-se grande entre vós, faça-se vosso servo. E o que quiser tornar-se entre vós o primeiro, faça-se vosso escravo. Assim como o Filho do Homem veio, não para ser servido, mas para servir e dar Sua vida em resgate por uma multidão." Mt 20,25-28
    Realista, Nosso Redentor ensinava por exemplos práticos: "Logo, se Eu, Vosso Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar-vos os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo para que, como Eu vos fiz, assim façais também vós. Se compreenderdes estas coisas, sereis felizes, sob condição de as praticardes." Jo 13,14-15.17
    E falou da verdadeira estatura e da exaltação do ser humano: "O maior dentre vós será vosso servo. Aquele que se exaltar será humilhado, e aquele que se humilhar será exaltado." Mt 23,11-12
    Por suas materialistas e vaidosas ambições, é notório que o mundo não está sendo preparado para viver harmoniosamente. Por isso a missão do cristão é longa e difícil, enfrentando, cada vez mais, maiores obstáculos: "Se fôsseis do mundo, o mundo vos amaria como sendo seus. Como, porém, não sois do mundo, mas do mundo vos escolhi, por isso o mundo vos odeia." Jo 15,19
    E apesar de prometer a Vitória, Jesus não prometeu vida fácil a ninguém: "Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e disserem falsamente todo o mal contra vós por causa de Mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos Céus, pois assim perseguiram os Profetas que vieram antes de vós." Mt 5,11-12
    Porém, mesmo sabendo da completa aversão ao Seu Nome em certos ambientes, Ele pediu-nos serena perseverança: "Sereis odiados de todos por causa de Meu Nome, mas aquele que perseverar até o fim será salvo." Mt 10,22
    Não por acaso, todos os Apóstolos, a exceção de São João Evangelista, foram martirizados: "Então sereis entregues aos tormentos, matar-vos-ão e sereis por Minha causa objeto de ódio para todas as nações." Mt 24,9
    Mas isso não aconteceu só com Jesus e os Apóstolos. Já vinha acontecendo com os profetas que Lhe antecederam, inclusive São João Batista. Para ilustrar, Jesus citou as Escrituras: "Por isso, também disse a Sabedoria de Deus: 'Enviar-lhes-ei Profetas e Apóstolos, mas eles darão a morte a uns e perseguirão a outros." Lc 11,49
    Assim, nossa obrigação de cristãos é oferecer ação de graças pelo Sacrifício de Cristo e celebrar Sua memória, além, claro, de entrar também nas fileiras dos que anunciam destemidamente Seu amor, mesmo enfrentando toda adversidade. Devemos beber também desse 'cálice', como Ele profetizou sobre o futuro de São Tiago Maior e São João Evangelista: "Vós bebereis o cálice que Eu devo beber e sereis batizados no batismo em que Eu devo ser batizado." Mc 10,39
    Quanto à ignorância e à violência em si, sempre que possível temos que nos posicionar e agir de modo a não aumentá-las. Como Jesus mesmo ensinou: "Eu, porém, vos digo: não resistais ao mau. Se alguém te ferir a face direita, oferece-lhe também a outra. Se alguém te citar em justiça para tirar-te a túnica, cede-lhe também a capa. Se alguém vem obrigar-te a andar mil passos com ele, anda dois mil. Dá a quem te pede e não te desvies daquele que te quer pedir emprestado." Mt 5,39-42
    E aqui está o Mandamento mais revolucionário de Cristo: o verdadeiro cristão deve amar seus inimigos. Esse é o maior exemplo, o da extrema paciência e misericórdia, dado incessantemente pelo próprio Pai: "Eu, porém, vos digo: amai vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos maltratam e perseguem. Deste modo sereis os filhos de Vosso Pai do Céu, pois Ele faz nascer o sol tanto sobre os maus como sobre os bons, e faz chover sobre os justos e sobre os injustos." Mt 5,44-45
    Com efeito, mesmo quando Se referia aos milagres que realizava, Jesus descrevia assim Sua passagem entre nós: "Em verdade, em verdade vos digo: o Filho de Si mesmo não pode fazer coisa alguma; Ele só faz o que vê fazer o Pai; e tudo o que o Pai faz, o faz também semelhantemente o Filho." Jo 5,19


REPRESENTANTES DE CRISTO

    Mas tamanha transformação espiritual, ou seja, a que vai do legítimo ódio ao sincero amor pelos inimigos, não é possível sem os auxílios do Espírito Santo, que nos revigora pelo fogo da fé. Por isso os Apóstolos, ante a obrigação de perdoar infinitamente, pediam ajuda a Jesus: "Aumenta-nos a fé!" Lc 17,5
    E Nosso Salvador não apenas falava: Ele fazia. Mesmo sendo surrado, humilhado e crucificado, não Se entregava à ira ao Seus algozes. E, na Cruz, em Seus últimos suspiros, ainda rezou: "Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem." Lc 23,34
    Ele ensinava o perdão como o único modo de abrir caminho ao amor, como apontou na cena da pecadora que lavou Seus pés com lágrimas e enxugou-os com os cabelos: "... seus numerosos pecados lhe foram perdoados, porque ela tem demonstrado muito amor. Mas ao que pouco se perdoa, pouco ama." Lc 7,47
    Pois tal e qual o Pai, Seu perdão e Misericórdia são infinitos. E assim, para sermos autênticos filhos de Deus e cristãos, temos que abraçar seriamente Seus ensinamentos: "Se teu irmão pecar, repreende-o; se se arrepender, perdoa-lhe. Se pecar sete vezes no dia contra ti e sete vezes no dia vier procurar-te, dizendo: 'Estou arrependido', perdoar-lhe-ás." Lc 17,3-4
    Sua Doutrina, portanto, é essencialmente de mansidão e humildade. E Ele não prometeu comodidades materiais, mas tão somente conforto às nossas almas: "Tomai Meu jugo sobre vós e recebei Minha doutrina, porque Eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para as vossas almas." Mt 11,29
    Muitos, porém, tinham e têm medo de Jesus por verem n'Ele um mero denunciador de pecados, mas isso é um erro. Pois mesmo patente a veracidade e o poder de Sua Palavra, e, ressalte-se, diante de todos nossos pecados, Sua Missão é de Salvação. Ele explicou aos judeus: "Não julgueis que vos hei de acusar diante do Pai; há quem vos acusa: Moisés, no qual colocais a vossa esperança." Jo 5,45
    Numa situação, instado por dois dos Apóstolos para punir os samaritanos que não os acolheram, "Jesus voltou-Se e repreendeu-os severamente: 'Não sabeis de que espírito sois animados. O Filho do Homem não veio para perder as vidas dos homens, mas para salvá-las.'" Lc 9,55-56
    E tal como agia, também ensinava: "Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados; dai, e dar-se-vos-á." Lc 6,37-38
    O Profeta Isaías havia predito com precisão esse emblemático e sublime comportamento do Cristo: "Ele não grita, nunca eleva a voz, não clama nas ruas. Não quebrará o caniço rachado, não extinguirá a mecha que ainda fumega. Anunciará com toda a franqueza a verdadeira religião; não desanimará, nem desfalecerá, até que tenha estabelecido a verdadeira religião sobre a terra, e até que as ilhas desejem Seus ensinamentos." Is 42,2-4
    Claro, Jesus não deixou de alertar aos que se apegam às coisas do mundo, cultuando apenas comportamentos de interesses. E, de novo, o divisor de águas está em amar ou não ao Cristo. Ele afirmou a alguns religiosos de Jerusalém: "Se Deus fosse Vosso pai, vós Me amaríeis, porque Eu saí de Deus." Jo 8,42
    Mas, mesmo para esses, Jesus tinha um conselho: "Eu vos digo: fazei-vos amigos com a riqueza injusta, para que, no dia em que ela vos faltar, eles vos recebam nos tabernáculos eternos." Lc 16,9
    São João Evangelista, de visão aguçada como a de uma águia, em seu Evangelho escreveu uma marcante frase aferindo com precisão a diferença entre o amor mundano e a Vinda de Jesus: "Ora, este é o Julgamento: a Luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a Luz, pois as suas obras eram más." Jo 3,19
    Em Sua Onisciência, Jesus bem sabe em que condição se encontram as almas pelo mundo. Não foi à toa que Suas primeiras palavras, ao iniciar Suas pregações, foram um convite ao arrependimento e à piedade: "Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo; fazei penitência e crede no Evangelho." Mc 1,15
    Por isso convida a todos a nos tornarmos Seus legítimos discípulos. Notemos, porém: ninguém se torna discípulo da noite para o dia. Os próprios Apóstolos, apesar de estarem com Ele mais de três anos, vendo e ouvindo tudo viram e ouviram, ainda se viam por converter-se. Foi o que ele disse a São Pedro na noite da Santa Ceia: "Simão, Simão, eis que Satanás vos reclamou para vos peneirar como o trigo; mas Eu roguei por ti, para que a tua confiança não desfaleça; e tu, por tua vez, confirma os teus irmãos." Lc 22,31-32
    De fato, Eles ainda careciam da unção do Espírito Santo, como disse momentos antes de Sua Ascensão aos Céus: "Eu vos mandarei o Prometido de Meu Pai; entretanto, permanecei na cidade, até que sejais revestidos da força do alto." Lc 24,49
    Enfim, em exatas palavras, é essencialmente essa é a condição de agir do cristão: "Se permanecerdes em Mim, e as Minhas palavras permanecerem em vós, pedireis tudo o que quiserdes e vos será feito. Nisto é glorificado Meu Pai, para que deis muito fruto e vos torneis Meus discípulos." Jo 15,7-8
    Assim Ele pede que, guardando fielmente Seu exemplo, levemos a cristandade a nossos irmãos, em constante missão: "Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura." Mc 16,15
    E São Paulo, em carta aos filipenses, que também nos disponhamos a sacrifícios por Ele: "Cumpre, somente, que vos mostreis em vosso proceder dignos do Evangelho de Cristo. Quer eu vá ter convosco quer permaneça ausente, desejo ouvir que estais firmes em um só espírito, lutando unanimemente pela fé do Evangelho, sem vos deixardes intimidar em nada pelos vossos adversários. Isto para eles é motivo de perdição; para vós outros, de Salvação. E é a vontade de Deus, porque a vós vos é dado não somente crer em Cristo, mas ainda por Ele sofrer." Fl 1,27-29
    Os seguidores da tradição do Apóstolo de Tarso vão ainda mais longe: "Considerai, pois, atentamente Aquele que sofreu tantas contrariedades dos pecadores, e não vos deixeis abater pelo desânimo. Ainda não tendes resistido até o sangue, na luta contra o pecado." Hb 12,3-4
    E ele próprio não nega que este testemunho de vida seja o verdadeiro sentido de ser cristão: "Trazemos sempre em nosso corpo os traços da morte de Jesus para que também a vida de Jesus se manifeste em nosso corpo. Estando embora vivos, somos a toda hora entregues à morte por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus apareça em nossa carne mortal." 2 Cor 4,10-11
    Ora, se ainda não compreendemos, ser cristão é representar plenamente o Cristo, o Martirizado, o Servo sofredor. São palavras Suas: "Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caído na terra, não morrer, fica só; se morrer, produz muito fruto. Quem ama a sua vida, perdê-la-á; mas quem odeia a sua vida neste mundo, conservá-la-á para a Vida Eterna. Se alguém Me quer servir, siga-Me; e, onde Eu estiver, estará ali também o Meu servo. Se alguém Me serve, Meu Pai o honrará." Jo 12,24-26
    E assim Ele nos estimula, transferindo a nós Sua luz: "Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa. Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem Vosso Pai que está nos Céus." Mt 5,14-16

    "Fazei de nós uma perfeita oferenda!"

domingo, 29 de janeiro de 2017

A Igreja de Jesus


A AUTORIDADE

    
Para quem bem observa, nunca houve dúvida a respeito da autoridade que emanava de Jesus, nem mesmo da parte de Seus inimigos. E a partir de um determinado momento Suas manifestações passaram a ser solenes, e no lugar mais importante para os judeus: "Dirigiu-Se Jesus ao Templo. E, enquanto ensinava, os príncipes dos sacerdotes e os anciãos do povo aproximaram-Se e perguntaram-Lhe: 'Com que direito fazes isso? Quem Te deu esta autoridade?'" Mt 21,23
    Segundo São João Evangelista, cujo Evangelho exprime maior rigor cronológico, acontecimento semelhante teria se dado logo na primeira Páscoa de Sua vida pública, mas o diálogo foi nesses termos: "Perguntaram-Lhe os judeus: 'Que sinal nos apresentas Tu, para procederes deste modo?' Respondeu-lhes Jesus: 'Destruí vós este Templo, e Eu o reerguerei em três dias.' Os judeus replicaram: 'Em quarenta e seis anos foi edificado este Templo, e Tu hás de levantá-lo em três dias?!' Mas Ele falava do Templo do Seu Corpo. Depois que ressurgiu dos mortos, os Seus discípulos lembraram-se destas palavras e creram na Escritura e na Palavra de Jesus." Jo 2,18-22
    Ora, também segundo São Marcos, isso era patente desde o início Suas primeiras pregações. O próprio povo da sinagoga de Cafarnaum reconheceu: "Maravilhavam-se da Sua Doutrina, porque os ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas." Mc 1,22
    De fato, Seu poder ultrapassava em muito os limites do meramente natural: "Ficaram todos tão admirados, que perguntavam uns aos outros: 'Que é isto? Eis um ensinamento novo, e feito com autoridade; além disso, Ele manda até nos espíritos imundos e Lhe obedecem!'" Mc 1,27
    Aliás, Jesus mesmo o confirmou em Sua última aparição, antes de ascender definitivamente aos Céus: "Toda autoridade Me foi dada no Céu e na terra." Mt 28,18
    São João Evangelista testemunhou a autoridade de Jesus nos Céus, como atestou no livro do Apocalipse narrando momentos após a Sua Ascensão: "Eu ouvi no Céu uma voz forte que dizia: 'Agora chegou a Salvação, o poder e a realeza de Nosso Deus, assim como a autoridade de Seu Cristo, porque foi precipitado o acusador de nossos irmãos, que os acusava, dia e noite, diante do Nosso Deus.'" Ap 12,10
    E não resta dúvida que Jesus transmitiu Seu poder à Igreja, ao instituir o Colégio Apostólico: "Reunindo Jesus os Doze Apóstolos, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para curar enfermidades." Lc 9,1
    Mas, assim como Ele agia, recomendava a todos que retransmitissem fielmente o projeto de Deus, tal como consta nas Escrituras: "Quem fala por própria autoridade busca a própria glória, mas quem procura a Glória de Quem o enviou é digno de e nele não há impostura alguma." Jo 7,18
    Mostrou-Se, contudo, ainda mais exigente com Seus Apóstolos e discípulos, quando ensinou que sacerdócio é servir: "E Jesus disse-lhes: 'Os reis dos pagãos dominam como senhores, e os que exercem sobre eles autoridade chamam-se benfeitores. Que não seja assim entre vós; mas o que entre vós é o maior, torne-se como o último; e o que governa seja como o servo.'" Lc 22,25-26
    Pois para o bem do povo de Deus tal autoridade deve ser exercida com absoluta diligência, sem ocasião para desatenção ou descuido: "Será como um homem que, partindo em viagem, deixa a Sua casa e delega Sua autoridade aos Seus servos, indicando o trabalho de cada um, e manda ao porteiro que vigie. Vigiai, pois, visto que não sabeis quando o senhor da casa voltará, se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã, para que, vindo de repente, não vos encontre dormindo." Mc 13,34-36
    São Paulo, apesar de agir com simplicidade, bem sabia a dimensão de seu ofício ao ministrar os Sacramentos. E rogava a Deus a Graça de cumprir dignamente sua missão, como escreve aos coríntios: "Que os homens nos considerem, pois, como simples operários de Cristo e administradores dos mistérios de Deus." 1 Cor 4,1
    Agindo como bem ensinou Jesus, porém, ele alerta os tessalonicenses: "Não buscamos glórias humanas, nem de vós nem de outros. Na qualidade de Apóstolos de Cristo, poderíamos apresentar-nos como pessoas de autoridade. Todavia, nos fizemos discretos no meio de vós." 1 Ts 2,6-7
    E sabendo compadecer-se com Cristo, abraçando às intangíveis dores da Cruz, ele dá uma belíssima explanação da realidade deste ministério: "Agora me alegro nos sofrimentos suportados por vós. O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por Seu Corpo que é a Igreja. Dela fui constituído ministro, em virtude da missão que Deus me conferiu de anunciar em vosso favor a realização da Palavra de Deus, mistério este que esteve escondido desde a origem às gerações passadas, mas que agora foi manifestado aos Seus santos. A estes quis Deus dar a conhecer a riqueza e Glória deste mistério entre os gentios: Cristo em vós, esperança da Glória! A Ele é que anunciamos, admoestando todos os homens e instruindo-os em toda a Sabedoria, para tornar todo homem perfeito em Cristo. Eis a finalidade do meu trabalho, a razão por que luto auxiliado por Sua força que atua poderosamente em mim." Cl 1,24-29
    Mas também advertia: "Peço-vos que, quando eu estiver presente, não me veja obrigado a usar de minha autoridade de que pretendo realmente usar com certas pessoas que imaginam que nós procedemos com intenções humanas." 2 Cor 10,2
    E recomendou a São Tito: "Cristo veio para nos ensinar a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver neste mundo com toda sobriedade, justiça e piedade, na expectativa da nossa esperança feliz, a aparição gloriosa de Nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo, que Se entregou por nós, a fim de nos resgatar de toda a iniquidade, nos purificar e nos constituir Seu povo de predileção, zeloso na prática do bem. Eis o que deves ensinar, pregar e defender com toda a autoridade. Tt 2,12-15
    São Pedro é ainda mais contundente ao afirmar: "... o Senhor sabe livrar das provações os homens piedosos e reservar os ímpios para serem castigados no Dia do Juízo, principalmente aqueles que correm com desejos impuros atrás dos prazeres da carne e desprezam a autoridade. Audaciosos, arrogantes, não temem falar injuriosamente das glórias, embora os anjos, superiores em força e poder, não pronunciem contra elas, aos olhos do Senhor, o julgamento injurioso." 2 Pd 2,9-11
    São Judas Tadeu, por fim, compara a rebeldia ao Evangelho a dos anjos caídos, bem como a dos habitantes de Sodoma e Gomorra, enquanto faz recordar a estrita obediência de São Miguel, que agia perfeitamente nos limites de seu mandado: "Os anjos que não tinham guardado a dignidade de sua classe, mas abandonado os seus tronos, Ele guardou-os com laços eternos nas trevas para o Julgamento do Grande Dia. Da mesma forma Sodoma, Gomorra e as cidades circunvizinhas, que praticaram as mesmas impurezas e se entregaram a vícios contra a natureza, jazem lá como exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno. Assim também estes homens, em seu louco desvario, contaminam igualmente a carne, desprezam a autoridade e maldizem as Glórias. Ora, quando o Arcanjo Miguel discutia com o demônio e lhe disputava o corpo de Moisés, não ousou fulminar contra ele uma sentença de execração, mas disse somente: 'Que o próprio Senhor te repreenda!' Estes, porém, falam mal do que ignoram. Encontram eles a sua perdição naquilo que não conhecem, senão de um modo natural, à maneira dos animais destituídos de razão." Jd 1,6-10

    
A despeito do que simplesmente imaginamos, portanto, devemos acatar e reverenciar a Revelação e manifestações de Deus entre nós, tornando-nos dóceis ao Divino Paráclito. Foi o que declararam os Apóstolos no Sinédrio, após a miraculosa libertação da prisão: "Pedro e os Apóstolos replicaram: 'Importa obedecer antes a Deus do que aos homens. O Deus de nossos pais ressuscitou Jesus, que vós matastes, suspendendo-O num madeiro. Deus elevou-O pela mão direita como Príncipe e Salvador, a fim de dar a Israel o arrependimento e a remissão dos pecados. Deste fato nós somos testemunhas, nós e o Espírito Santo, que Deus deu a todos aqueles que Lhe obedecem.'" At 5,29-32
    Ora, em sua primeira carta São Pedro aponta as duas razões pelas quais fomos chamados pelo Pai e santificados pelo Divino Paráclito: "Pedro, Apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos que são estrangeiros e estão espalhados no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia - eleitos segundo a presciência de Deus Pai, e santificados pelo Espírito, para obedecer a Jesus Cristo e receber a Sua parte da aspersão do Seu Sangue." 1 Pd 1,1-2a
    Definitivamente, a obediência a Jesus deve ser incondicional, tanto mais por saber que Ele continua a falar-nos através de Sua Igreja, como explicam os seguidores de São Paulo: "Guardai-vos, pois, de recusar ouvir Aquele que fala. Porque, se não escaparam do castigo aqueles que d'Ele se desviaram, quando lhes falava na terra, muito menos escaparemos nós, se O repelirmos, quando nos fala desde o Céu." Hb 12,25
    Porque a Igreja retransmite a Palavra que Ele nos comunica através de Seus anjos. São João Evangelista registrou essa ordem Sua: "Ao anjo da igreja de Éfeso, escreve..." Ap 2,1
    No mesmo sentido, Jesus garantiu aos Apóstolos que também eles seriam ouvidos: "Quem vos ouve, a Mim ouve; e quem vos rejeita, a Mim rejeita; e quem Me rejeita, rejeita Aquele que Me enviou." Lc 10,16
    Foi mais pontual: "Se guardaram a Minha Palavra, hão de guardar também a vossa." Jo 15,20b
    E sentenciou: "Se recusa ouvi-los, dize-o à Igreja. E se recusar ouvir também a Igreja, seja ele para ti como um pagão e um publicano." Mt 18,17
    A Boa Nova, portanto, vai muito além de simples e momentâneas conveniências entre nós, como escreve São Paulo: "Mas, como Deus nos julgou dignos de nos confiar o Evangelho, falamos, não para agradar aos homens, e sim a Deus, que sonda os nossos corações." 1 Ts 2,4
    Se surgiam divergências a respeito da Sã Doutrina, buscava-se a voz do Espírito de Deus que falava pelos Apóstolos na então sede da Igreja: "Originou-se então grande discussão de Paulo e Barnabé com eles, e resolveu-se que estes dois, com alguns outros irmãos, fossem tratar desta questão com os Apóstolos e os anciãos em Jerusalém." At 15,2
    E o Divino Paráclito não lhes faltava, como atesta São Tiago Menor na carta que decidiu esta questão: "Com efeito, pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor outro peso além do seguinte indispensável..." Ap 15,28
    Tal decisão era sumamente respeitada, sem dissidências, como pregavam São Paulo e São Silvano, e assim os cristãos seguiam sempre sob os desígnios do Santo Paráclito: "Nas cidades pelas quais passavam, ensinavam que observassem as decisões que haviam sido tomadas pelos Apóstolos e anciãos em Jerusalém. Assim as igrejas eram confirmadas na fé, e cresciam em número dia a dia. Atravessando em seguida a Frígia e a província da Galácia, foram impedidos pelo Espírito Santo de anunciar a Palavra de Deus na província da Ásia. Ao chegarem aos confins da Mísia, tencionavam seguir para a Bitínia, mas o Espírito de Jesus não o permitiu." At 16,4-7
    Tal obediência é pura sensatez, pois, como ensina São Pedro, não cabem interpretações pessoais da Bíblia. Antes deve-se buscar conhecer a Revelação já plenamente sedimentada, seja pela Palavra de Deus que teve Seu ápice em Jesus, seja pela inspiração do Divino Espírito derramado como guia da Igreja desde o Pentecostes sobre Seus eleitos, que efetivamente Lhe obedecem: "Antes de tudo, sabei que nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal. Porque jamais uma profecia foi proferida por efeito de uma vontade humana. Homens inspirados pelo Espírito Santo falaram da parte de Deus." 2 Pd 1,20-21
    E colocar-se contra a Igreja é colocar-se contra o próprio Jesus, como foi flagrado São Paulo pouco antes de converter-se: "Enquanto isso, Saulo só respirava ameaças e morte contra os discípulos do Senhor. Durante a viagem, estando já perto de Damasco, subitamente o cercou uma Luz resplandecente vinda do céu. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: 'Saulo, Saulo, por que Me persegues?' Saulo disse: Quem és, Senhor? Respondeu ele: 'Eu sou Jesus, a Quem tu persegues.'" At 9,1a.3-5a
    E o motivo desse absurdo ódio está bem claro: é exatamente o inverso do gesto de oferecer-se em sacrifício, como fez Jesus e como devemos fazer na Santa Missa. Nosso Salvador profetizou: "Expulsar-vos-ão das sinagogas, e virá a hora em que todo aquele que vos tirar a vida julgará prestar culto a Deus. Procederão deste modo porque não conheceram o Pai, nem a Mim." Jo 16,2-3
    Em sentido contrário, a verdadeira amizade a Cristo faz-se notar pela boa vontade em ouvi-Lo: "Não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz seu senhor. Mas chamei-vos amigos, pois vos dei a conhecer tudo quanto ouvi de Meu Pai." Jo 15,15


    De fato, é pela amizade a Deus e à Verdade que a Igreja cruza os séculos, como apontou São Paulo: "... sabeis que a família de Estéfanas são as primícias da Acaia e se consagraram ao serviço dos santos." 1 Cor 16,15
    Tal ventura sempre será uma fonte de infinita alegria: "Sede contentes e agradecidos ao Pai, que vos fez dignos de participar da herança dos santos na Luz." Cl 1,12
    É assim que se dá a edificação da Igreja: "Consequentemente, já não sois hóspedes nem peregrinos, mas sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos Apóstolos e Profetas, tendo por pedra angular o próprio Cristo Jesus. É n'Ele que todo edifício, harmonicamente disposto, se levanta até formar um Templo santo no Senhor. É n'Ele que também vós outros entrais conjuntamente, pelo Espírito, na estrutura do edifício que se torna a habitação de Deus." Ef 2,19-22
    Edificação essa, aliás, que é invencível, como Jesus mesmo prometeu: "E Eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a Minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela." Mt 16,18
    Nossa verdadeira família, portanto, é constituída daqueles que procuram fazer a vontade de Deus, segundo Jesus: "Todo aquele que faz a vontade de Meu Pai que está nos Céus, esse é Meu irmão, Minha irmã e Minha mãe." Mt 12,50
    E assim, sem contar os membros que estão se purificando no Purgatório, ela está dividida entre os que já estão nos Céus e nós que estamos na terra, como afirma o Apóstolo dos Gentios: "Por esta causa dobro os joelhos em presença do Pai, ao Qual deve a sua existência toda família no Céu e na terra..." Ef 3,14-15
    Desta forma, ainda segundo ele, sobre assuntos da Doutrina não temos nada que ouvir quem não é da Igreja: "Quando algum de vós tem litígio contra outro, como é que se atreve a pedir justiça perante os injustos, em vez de recorrer aos santos? No entanto, quando tendes contendas desse gênero, escolheis para juízes pessoas cuja opinião é tida em nada pela Igreja." 1 Cor 6,1.4
    Ao contrário, devemos ouvir e sustentar essencialmente a Igreja: "Quanto à coleta em benefício dos santos..." 1 Cor 16,1
    Com efeito, nossa missão já é por demais difícil: "A mim, o mais insignificante dentre todos os santos, coube-me a Graça de anunciar entre os pagãos a inexplorável riqueza de Cristo." Ef 3,8
    E só entre irmãos, pela caridade que se manifesta no mais profundo respeito, é que encontramos os melhores afagos oriundos da errante natureza humana. Escreve o Santo de Tarso a Filêmon: "Tua caridade trouxe-me grande alegria e conforto, porque os corações dos santos encontraram alívio por teu intermédio, irmão." Fl 1,7
    Pois através deles é o Espírito Santo que nos conforta, intercedendo a Deus por nós, como lemos na Carta de São Paulo aos Romanos: "E Aquele que perscruta os corações sabe o que deseja o Espírito, o Qual intercede pelos santos, segundo Deus." Rm 8,27
    A submissão à Revelação, portanto, é condição primeira para todas igrejas locais: "Do mesmo modo como em todas as igrejas dos santos... Se alguém se julga profeta ou agraciado com dons espirituais, reconheça que as coisas que vos escrevo são um Mandamento do Senhor." 1 Cor 14,34a.37
    Assim podemos saudar com efetividade nossos irmãos: "Saudai em Jesus Cristo todos os santos." Fl 4,21


OS PADRES

    Referindo-se à fragilidade da vida carnal, São Pedro deu categórico exemplo do que representava a missão que Cristo lhe confiou: "Se estas virtudes se acharem em vós abundantemente, elas não vos deixarão inativos nem infrutuosos no conhecimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Portanto, irmãos, cuidai cada vez mais em assegurar a vossa vocação e eleição. Procedendo deste modo, não tropeçareis jamais. Tenho por meu dever, enquanto estiver neste tabernáculo, de manter-vos vigilantes com minhas admoestações." 2 Pd 1,10.13
    Ora, não há retroceder perante as vocações e os desígnios de Deus: "Pois os dons e o chamado de Deus são irrevogáveis." Rm 11,29
    Por isso o Príncipe dos Apóstolos vai advertir aos anciãos, também chamados presbíteros, que atualmente são representados por nossos padres: "Eis a exortação que dirijo aos anciãos que estão entre vós; porque sou ancião como eles, fui testemunha dos sofrimentos de Cristo e serei participante com eles daquela Glória que se há de manifestar. Velai sobre o rebanho de Deus, que vos é confiado. Tende cuidado dele, não constrangidos, mas espontaneamente; não por amor de interesse sórdido, mas com dedicação; não como dominadores absolutos sobre as comunidades que vos são confiadas, mas como modelos do vosso rebanho. E, quando aparecer o Supremo Pastor, recebereis a coroa imperecível de Glória." 1 Pd 5,1a.2-5
    Lembrando o Sacramento da Ordenação, antes de subir a Jerusalém, onde seria preso, São Paulo disse algo parecido aos sacerdotes de Éfeso: "E lembrou aos Anciãos a investidura que haviam recebido: 'Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastorear a Igreja de Deus, que Ele adquiriu com o Seu próprio Sangue.'" At 20,28
    Tal hierarquia, de fato, já existia entre os judeus, como acusou Jesus: "Os escribas e os fariseus sentaram-se na cadeira de Moisés." Mt 23,2
    Mas estes cumpriam com imperfeição uma profecia de Jeremias, que só se realizaria plenamente através da autoridade de Jesus: "Eu estabelecerei pastores para elas, que as apascentarão..." Jr 23,3b
    O Levítico, de fato, já os instituía: "Serão santos para o Seu Deus e não profanarão o Seu Nome, porque oferecem ao Senhor os sacrifícios consumidos pelo fogo, o Pão de Seu Deus. Serão santos." Lv 21,6
    Por isso pede o Eclesiástico: "Teme a Deus com toda a tua alma, tem um profundo respeito pelos Seus sacerdotes." Eclo 7,31
    E diz o mesmo a Carta aos Hebreus: "Sede submissos e obedecei aos que vos guiam, pois eles velam por vossas almas e delas devem dar conta. Assim, eles o farão com alegria, e não a gemer, que isto vos seria funesto." Hb 13,17
    Convenientemente, São Paulo defende a independência material dos sacerdotes em carta a São Timóteo: "Os presbíteros que desempenham bem o encargo de presidir sejam honrados com dupla remuneração, principalmente os que trabalham na pregação e no ensino." 1 Tm 5,17
    Pede por eles: "Suplicamo-vos, irmãos, que reconheçais aqueles que arduamente trabalham entre vós para dirigir-vos no Senhor e vos admoestar. Tende para com eles singular amor, em vista do cargo que exercem. Conservai a Paz entre vós." 1 Ts 5,12-13
    Sustenta a paternidade espiritual dos cristão: "Com efeito, ainda que tivésseis dez mil mestres em Cristo, não tendes muitos pais; ora, fui eu que vos gerei em Cristo Jesus pelo Evangelho." I Cor 4,15
    Mas também exigia: ... aquele que preside, presida com zelo..." Rm 12,6-8
    Eles já estavam bem constituídos, porém, muito antes do auge da carreira de São Paulo: "Os discípulos resolveram, cada um conforme as suas posses, enviar socorro aos irmãos da Judeia. Assim o fizeram e o enviaram aos anciãos por intermédio de Barnabé e Saulo." At 11,29-30
    E como reclamava o Apóstolo dos Gentios, São Tiago Menor também não admitia que se recorresse a outros líderes que não aos da Igreja: "Está alguém enfermo? Chame os sacerdotes da Igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo em Nome do Senhor." Tg 5,14
    Respeitando a hierarquia e instituídos por paróquias, para cumprir suas funções nossos sacerdotes recebem áreas bem delineadas, do mesmo modo como faziam os Apóstolos, segundo São Paulo: "Assim esperamos levar o Evangelho aos países que ficam além de vós, sem nos gloriarmos das obras realizadas por outros dentro do domínio reservado a eles." 2 Cor 10,16
    E este deve ser o modelo da Igreja missionária que ainda se expande pelo mundo: "E me empenhei por anunciar o Evangelho onde ainda não havia sido anunciado o Nome de Cristo, pois não queria edificar sobre fundamento lançado por outro." Rm 15,20


O LUGAR SAGRADO

    A consagração de lugares para cultuar a Deus, por fim, não deveria carecer de explicações. Como sublime exemplo desse reverencial amor à Casa de Deus, temos a passagem em que Jesus expulsa os vendilhões: "Encontrou no Templo os negociantes de bois, ovelhas e pombas, e mesas dos trocadores de moedas. Fez Ele um chicote de cordas, expulsou todos do Templo, como também as ovelhas e os bois, espalhou pelo chão o dinheiro dos trocadores e derrubou as mesas. Disse aos que vendiam as pombas: 'Tirai isto daqui e não façais da Casa de Meu Pai uma casa de negociantes.' Lembraram-se então os Seus discípulos do que está escrito: 'O zelo da Tua Casa me consome' (Sl 68,10)." Jo 2,14-17
    No Evangelho de São Mateus, Suas Palavras foram ainda mais contundentes, usando uma passagem do livro de Jeremias: "... disse-lhes: Está escrito: Minha Casa é uma Casa de Oração (Is 56,7), mas vós fizestes dela um covil de ladrões (Jr 7,11)!" Mt 21,13
    Desse a instalação do Tabernáculo no Monte Sião, portanto, esse respeito ao sagrado é cultuado entre os judeus. Canta o salmista: "Ante Vosso Santo Templo prostrar-me-ei, e louvarei o Vosso Nome..." Sl 137,2
    Ora, essa devoção se inicia entre os judeus quando Deus entrega a Jacó, num sonho, o lugar que ele chamaria de Betel, ou seja, Casa de Deus: "Jacó, despertando de seu sono, exclamou: 'Em verdade, o Senhor está neste lugar, e eu não o sabia!' E, cheio de pavor, ajuntou: 'Quão terrível é este lugar! É nada menos que a Casa de Deus; é aqui, a Porta do Céu.' No dia seguinte, pela manhã, tomou Jacó a pedra: sobre a qual repousara a cabeça e a erigiu em estela, derramando óleo sobre ela. Deu o nome de Betel a este lugar, que antes se chamava Luz. Jacó fez então este voto: 'Se Deus for comigo, se Ele me guardar durante esta viagem que empreendi, e me der pão para comer e roupa para vestir, e me fizer voltar em paz casa paterna, então o Senhor será o Meu Deus. Esta pedra da qual fiz uma estela será uma Casa de Deus, e pagarei o dízimo de tudo o que Me derdes.'" Gn 28,16-22
    E o próprio Deus disse a Moisés, quando ele se aproximou do Monte Horeb: "Não te aproximes daqui. Tira as sandálias dos teus pés, porque o lugar em que te encontras é uma terra santa." Ex 3,5
    Por isso rezou Davi, quando estava no deserto de Judá: "Quero Vos contemplar no Templo, para ver Vosso poder e Vossa Glória." Sl 63,3
    E o salmista entoa: "Cumprirei os meus votos para com o Senhor, na presença de todo o Seu povo, nos átrios da Casa do Senhor..." Sl 116, 8-9a
    A Igreja de Cristo, porém, como estava previsto pelo profeta Ageu, revelou-se ainda mais especial que o Templo de Jerusalém: "O esplendor desta Casa sobrepujará o da primeira - oráculo do Senhor dos exércitos." Ag 2,9
    Por isso São Paulo não vacila em apontar onde devemos prestar culto ao Criador: "... a Ele seja dada Glória na Igreja, e em Cristo Jesus, por todas as gerações de eternidade. Amém." Ef 3,21

    "Lembrai-Vos, ó Pai, da Vossa Igreja!"